segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Apliqués & Botox


Bem, parece que eu deveria manter segredo sobre este tópico, mas definitivamente eu não consigo... lol O fato é que me rendi à constatação de que viver intensos 35 anos cobra seu preço e resolvi, com a ajuda de uma coisa chamada “toxina botulínica” um problema que vinha me incomodando há alguns meses.

Tudo começou numa manhã qualquer, em que eu tentava desvendar o francês de uma coletânea da Marie Claire Ideés que comprara no Rio. O Rafa, meu pequeno, ao me ver tão concentrada, perguntou: “Mãe, você ta brava?” Estranhei a pergunta por que a única coisa que eu não estava, naquele momento, era brava! Sorri e respondi: “Não, filho, não estou brava! Estou concentrada”. E ele: “Então por que você está com cara de brava?”.

Naquele momento eu me dei conta de que, mesmo quando não estava com raiva, uma incômoda ruga de expressão teimava em vincar a minha testa, entre as sobrancelhas! Meu Deus, será que eu ficaria como aquelas mulheres que mesmo quando sorriem estão com cara de bravas??? Pesadelo!

Uma visita à dermatologista e a constatação: uma pequena aplicação de botox resolveria meu problema. No Brasil, dizemos que “de graça, até injeção na testa!”. Meus amigos, pois confesso que paguei, e caro, por cinco furadinhas dolorosas na testa, mas não me arrependo.

É bem estranho querer franzir a testa e não conseguir, mas estou satisfeita com os resultados. Também fiquei satisfeita com o resultado dos meus panos de prato com apliqués de frutas e legumes. Para a maioria dos detalhes, usei o ponto caseado, em dois fios de Anchor (achei que usar a Perlé deixaria um aspecto mais grosseiro nos trabalhos). Usei ainda o ponto corrente e o alinhavo simples.

Série "Um é Pouco, Dois é Bom, Três é Bom Demais"

Detalhe dos pontos utilizados
Nestes caseados, usei Perlé.
Alinhavo em Perlé.

Os tecidos que tinha em casa não eram, decididamente, os melhores para o recorte dos motivos. No entanto, tal como o botox, que se em demasiado tira a expressão do rosto, os motivos aplicados em grande quantidade diminuem a função primordial do pano de prato. lol

Ponto Caseado


No fim, aplicar botox ou realizar os apliqués não é coisa de outro mundo... Basta bom senso, parcimônia e um pouquinho de coragem. Os resultados compensam. Quem se habilita?

******

Well, it seems that I should keep quiet about this topic, but I definitely can not ... lol The fact is that I surrendered to the conclusion that 35 years has its effects and I decided, with the help of something called "botulinum toxin" a problem that was bothering me for some months.

It all started one morning when I was trying to translate the French of one Marie Claire Idées. My little son, seeing me so focused, asked: "Mom, are you angry?" Strange question, cause the only thing I was not was angry! I smiled and replied, "No, son, I'm not angry! I'm concentrating." And he said: "Then why have you an angry face?".

At that moment I realized that even when I wasn’t angry, an ugly wrinkle persisted in creasing my forehead between the eyebrows! My God, I'd be like those women who she’s smiling they even have angry face?? It´s a nightmare!

A visit to the dermatologist and the evidence: a small application of botox would solve my problem. In Brazil, we say "for free, even shot in the forehead." Folks, I confess that I paid for five painful injection stings on my forehead. It was expensive but I have no regrets.

It's kinda strange, but I'm satisfied with the results. I was also happy with the outcome of my dish cloths with appliques of fruits and vegetables. For most of the details, I used the blanket stitch in two strands of Anchor (I found that using Perlé leave a more result coarse in the works). I used even the xxx.

The fabrics I had at home were not decidedly better at cutting the motifs. However, like Botox, which if used a lot it changes the natural expression of the face, the motifs applied in large quantities diminish the primary utility of the dishcloth. Lol

Finally, to apply botox or do apliqués is not something from another world... It's necessary just good sense, thrift and a little courage. The results pays off. Are you ready?

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

WIP - Presentes de Natal e Outras Cositas...


Estou preparando alguns presentes de Natal para amigas especiais. Minha produção está bem atrasada, confesso... Para a Marcinha e para a Ritinha, panos de prato com apliqué de tecido, com motivos de frutas e flores.

Tecidos apenas aplicados, ainda sem contornos.
Dish clothes, with fabrics without contours.

Panos de prato em cores variadas, com apliqués já contornados.
Different colors, with apliqués and contours.

Detalhe do ponto caseado e do alinhavo simples, na flor.
Detail of blanket stitch and running stitch.

Nas flores, usei ponto caseado, alinhavo simples e corrente.
On the flowers, I used blanket stitch, running stitch and chain stitch.

A Marcinha, que morava numa casa enorme, com mangueiras e um imenso jardim, experimenta morar em um apartamento pequenino e está adorando a experiência. Já conhece todo mundo do prédio devido à sua enorme capacidade de agregar, reunir. A Ritinha manifestou sua necessidade e vocês sabem o quanto a questão utilitária é importante para mim... lol

Em andamento também está o bordado para o Love Quilts UK, com cupcakes fofos. Este bordado tem me dado uma grande satisfação, estou adorando as cores. Falta um bolinho e os contornos.

Em progresso, no terceiro cupcake e sem contornos.
In progress, third cupcake, without contours.


A luz ficou um pouco amarelada, mas dá prá ver o terceiro cupcake pronto e o primeiro contornado.
The light was a bit yellowish but you can see the complete third cupcake and the first contours.

Estou pensando em fazer ainda alguns biscornu e bookmarks. Vejamos se o tempo ajudará.

Quanto à leitura, adorei as dicas das minhas amigas blogueiras e comprei estes dois livros: Tempo Entre Costuras (Ana Duenas) e O Deus das Pequenas Coisas (Arundhati Roy). Estou ansiosa para começar a leitura. 























O finalzinho da Guerra dos Tronos foi eletrizante! Foram tantas reviravoltas que me deixaram tonta... lol Em 2011, será lançado a Fúria de Reis, segundo volume da série. 

*****

I'm preparing some Christmas gifts for special friends. My production is late, I must confess ... For Marcinha and Rita, dish cloths with appliqué , with motifs of fruit and flowers.
Marcinha, who lived in a big house and huge garden, tries living in a tiny apartment and is loving the experience.  She already knows everyone at the building due to its enormous capacity to comunicate and to link. Rita expressed their need and you know how much the utility issue is important to me ... lol
In progress is also embroidery for Love Quilts UK, with cute cupcakes. This embroidery has given me a great pleasure, I loved the colors. Lack one of cupcakes and contours.
I'm still thinking about doing some biscornu and bookmarks. Let's see if time will help.
As for reading, I loved the tips of my visitors and bought these two books: Time Between Seams (Ana Duenas) and The God of Small Things (Arundhati Roy). I'm anxious to start reading. The ending of the Game of Thrones was electrifying! There were so many twists that left me dizzy ... lol In 2011, the King's Fury will be released, the second volume in the series.

sábado, 20 de novembro de 2010

Legos, Pingüins e “Amélias”


Legos e pinguins são as duas maiores paixões do Gui, nesta ordem, exatamente. Ontem, quando cheguei em casa, ele tinha reproduzido um pingüim e seu pet, cuja espécie chama-se “puffle” (de acordo com Club Penguin) com suas pecinhas de lego! Achei que merecia um registro pela capacidade de abstração.

O pinguim (à direita), levando seu puffle na coleirinha...

Pra variar, fiquei pensando em o quanto a maioria das pessoas vai perdendo essa capacidade, muito própria da infância, quando cresce. Os meninos criam mundos e situações as mais diversas com seus legos e outros brinquedos, vivem aquelas realidades e, com isto, vão estruturando suas perdas, alegrias, suas personalidades. Brincar é bom demais mesmo.

Quem faz craft, na minha modestíssima opinião, tenta, de certa forma, reviver este mundo infantil e, por este motivo, encontra tanta satisfação.

As pessoas que não me conhecem direito normalmente se espantam: “Mas você borda???” A palavra “borda” sai assim pronunciada com um misto de incredulidade e desqualificação, como se bordar fosse coisa de mulheres de antigamente, submissas, sem formação ou capacidade técnica para ocuparem postos de Presidente da República, por exemplo.

Antes eu ficava meio chateada. Hoje, apenas rio e respondo: “E além de bordar, escrevo sobre isso no Linhas Matizadas!” Novo espanto.

Percebi que as pessoas que se espantam desconhecem a importância do craft para a economia e para a vida de milhões de pessoas em todo o globo. Uma rápida pesquisa na internet e veremos que as coisas mais antenadas e descoladas têm um toque hand made e que, cada vez mais, essa é uma estratégia de personalização e diferenciação, contra a massificação e a industrialização dos gostos e afetos.

Óbvio que podemos justificar tudo de ruim que fazemos ou deixamos de fazer pela falta de tempo. Se como mal, é por que estou na correria. Se escolho o que visto por que alguém disse que é legal é por que não consigo nem pensar sobre o que me agrada, cai bem, etc. Se não pratico atividade física por que não tenho tempo, certamente vou ter tempo de tomar todos os remédios que o médico prescreverá...

Enfim, prefiro ser “Amélia” e fazer e viver coisas mais saudáveis, pro corpo e pra mente, trabalhos manuais incluídos. E prefiro que os meninos cresçam acompanhados de muitos legos, pingüins, fantasia, alegria, capacidade de imaginar e inventar, pra ser gente grande melhor e mais humana. 

*****

Legos and penguins are the two biggest passions of the Gui, in that order. Yesterday, when I got home, he had played a penguin and "his" pet, whose species is called "puffle" (according to Club Penguin) with their little pieces of lego! I thought it deserved a record by the capacity of abstraction.

I was thinking about how most people will lose this ability when grows. The boys create worlds and the most diverse situations with their Legos and other toys, live those realities and, thus, will structuring their losses, joys, their personalities. Play is too good even.Who does craft, in my modest opinion, tries to somehow revive this child's world and, therefore, finds as much satisfaction.

People who do not really know me usually are surprised: "But do you do embroideries???" The word "embroideries" goes well spoken with a mixture of disbelief and disqualification as if it were embroidering women's thing of the past, submissive, uneducated or technical incapacity to posts of President of a country, for example.Before I was a bit annoyed. Today, I only laugh and say: "And in addition to embroidery, I write about it in Linhas Matizadas!" New amazement.

That people doesn't know anything about importance of craft to the economy and the lives of millions of people around the globe. A quick search on the internet and see that hip things has a hand made touch and, increasingly, this is a strategy of customization and differentiation, against industrialization and massification of tastes and affections.

Obviously we can justify all the bad things that we do for lack of time. If eat bad, is why I'm in a hurry. If I choose what I wear because someone said it's cool is that I can not even think about what I like, looks good, etc.. If you do not practice physical activity because you have anytime, I'll certainly will have time to take all medications that your doctor will prescribe...

Anyway, I prefer to be "Amélia" and do things and live more healthy, crafts included. And I prefer that boys grow up together with many Legos, Penguins, fantasy, joy, ability to imagine and invent, to be adults better and more humane.

OBS: "Amélia" is the name of an old brazilian song, that values the woman who only takes care of home and the husband . Represents a submissive woman.


sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Tem Novidade No Ar...


A Gislene acaba de criar seu próprio blog: Coração em Ponto Cruz. Fazia tempo que eu pedia que ela escrevesse sobre seus próprios trabalhos, que vocês têm acompanhado aqui. Agora ela criou coragem e resolveu entrar nesse nosso mundinho internético.

Na primeira postagem, ela apresenta um quadro lindo que borda para sua primeira sobrinha, Melissa, uma futura bailarina. Está lindo! Suave e delicado.

Vale a pena dar uma olhada, os trabalhos da Gis são imperdíveis! Seja bem-vinda, amiga!

*****

Gislene just create your own blog: Heart in Cross StitchIt was time that I asked her to write about their own work, that you have followed here. Now she took courage and decided to enter in this our little world.
 
Her first post presents a beautiful embroidery to her first niece, Melissa, a future dancer. It's so beautiful! Soft and gentle.
 
Take a look! Gislene's work are very interesting. Welcome, Gis!

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Easy ABC

Olá!

Seguimos com o abecedário da Margaret Sherry. O "X" e o "E" foram bordados pela Gislene. Não estão fofos? Gislene elegeu o "X" como sua letra "mais preferida", como dizem os meus meninos! lol

Eu estou em dúvida entre o "X" e o "E"... Qual a sua preferida?

Boa semana a todos!

xoxo
ai, que dúvida...
oh, that doubt...

****

Hello!


We followed with the ABC's Margaret Sherry. The "X" and the "E" were embroidered by Gislene. It's cute, isn't it? Gislene chose the "X" as her preferred letter. 
I'm in doubt between the "X" and "E"... What's your favorite letter?
Good weekend everyone!

domingo, 14 de novembro de 2010

Conclusões e Um Livro Especial


Olá, bom domingo a todos!

Já falamos, em outra oportunidade, sobre "fechar Gestalts" e como isso é sempre bom. Mas hoje preciso dizer que estou, ao mesmo tempo, feliz e triste com estes términos.

Adorei concluir o Piu-Piu que já viajou para Minas, para o Love Quilts Brasil. Escolhi uma fonte bem divertida para bordar as palavras e acho que combinou bem.

Um Piu-Piu para alegrar o Lucas.
The Tweety, to brighten Lucas.

Mas, por outro lado, estou triste com o final da minha leitura do livro A Guerra dos Tronos, Crônicas de Gelo e Fogo. Estou lendo bem devagarzinho, por que o livro dois só será lançado em 2011! Tenho problema com séries, acho que já deu prá notar... lol

Nunca falta um livro na minha mesinha de cabeceira.
Never miss a book on my bedside table.

Esta é uma saga memorável, daquelas de tirar o fôlego da primeira à última página e, o que é mais legal, é que os capítulos são narrados, cada um, por um personagem diferente. A história vai se desenrolando sob o ponto de vista dos diferentes personagens, é muito interessante! Tem um toquezinho sobrenatural que realmente me conquistou, recomendo fortemente.

Mas vejam! Estou na página 480! Tá quase acabando... :-(

Costas do meu bookmark em tecido...
Back of my bookmark...
Frente do bookmark, realizado com linha matizada e vagonite.
Front of my bookmark, with tinted line.

E vocês? O que têm lido? Cartas para a redação do blog, por favor.

****
Hello, good Sunday to everyone!


We have spoken on another occasion, on "closing Gestalts" and how it is always good. But today I must say I'm happy and sad, at the same time, because some finishes.
I loved to finish the Tweety, it has traveled to Minas Gerais, for Love Quilts BrazilI chose a fun font to embroider the words and I think it well combined.

But on the other hand, I am sad by the end of my reading the book A Game of Thrones, Chronicles of Ice and Fire. I'm reading very slowly, because the book two only will be released in 2011! I have problem with series, you know... lol
This is a remarkable saga, those breathtaking from first page to last, and what's cooler is that the chapters are told each by a different character. The story is telling from the point of view of different characters and it is very interesting! There is a supernatural touch that really won me over, I strongly recommend.

But look! I'm on page 480! It's almost done ... :-(
And you? What have you read? Letters to blog, please.





sexta-feira, 12 de novembro de 2010

“Meu próprio amigo”


Dia desses Rafinha, meu mais novo, sai com essa, na volta da escola: “Mãe, o Lucas é o meu próprio amigo!”. Bom, meus filhos são pródigos em expressões engraçadas, não é novidade para quem acompanha o blog.

Mas fiquei pensando sobre a lógica do Rafa. Talvez ele quisesse falar sobre o seu melhor amigo. Existe algo mais “próprio” que o melhor amigo quando se tem três anos?


Nas minhas andanças na blogosfera, acabei conhecendo o biscornu. Voltou minha comichão. Pra que serve? Quais as possibilidades de usar? Aí resolvi fazer o meu próprio biscornu, a partir das orientações do blog da Cecília e da Helena, o Quilts São Eternos e da Alexandrina, do Matrioshka Biscornu, no qual você pode encontrar uma infinidade de modelos, cada um mais interessante que o outro.

Bordei dois quadrados de 8 x 8cm e uni as pontas conforme indicado nos tutoriais, a ponta de um quadrado na metade do lado do outro. 



O formato fica lindo, bem diferente e onírico, como eu gosto. Enchi com manta acrílica e voilá! Tenho meu próprio biscornu! Optei por bordar com a linha perlé, da Anchor, verde matizado. O ponto cruz ficou bem destacado, como se fossem pequenas pérolas.

Pensei em usar este primeiro biscornu como porta alfinetes, mas acho que também pode ser uma boa opção para presentear como sachê, por exemplo. Ampliando o tamanho, poderia fazer almofadas super diferentes e descoladas. Lá vem a comichão de novo... =)

Levei o biscurnu pro trabalho, para fazer a foto no gramado e, depois, numa reunião, meu amigo Leandro inventou nova utilidade: massageador anti-stress! Como este foi o uso mais inovador e como cada objeto encontra seu dono, o meu primeiro biscornu é do Leozinho!

Leozinho vai ficar calminho...

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

WIP - Margaret Sherry's Alphabet

Olá!

O alfabeto da Margaret Sherry continua! Mais três letrinhas para nossa coleção. =) Espero que gostem!

Adoro o "h" e seus hedgehogs...
I love the "h" and his hedgehogs...

Gislene bordou este "n" elétrico.
Gislene embroidered this eletric "n".

Esse cachorrinho dá vontade de apertar...
This puppy is so cute...
****
Hi, everyone! The Margaret Sherry's alphabet continues! Three more letters to our collection. Enjoy!

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

O bom de errar


A foto não está à altura do sabor, reconheço...


Tenho uma amiga maravilhosa, chamada Marcinha, que é a pessoa mais otimista que anda sobre a face da Terra e que faz a Poliana dos livros da nossa infância, parecer uma hiena triste.

Pois bem, a Marcinha sintetizou, há algum tempo, a essência da liderança: “Eu gosto de trabalhar com pessoas com as quais eu me sinto à vontade para errar. Quando a gente tem medo de errar, a gente não trabalha direito e não faz o nosso melhor”.

Não sei se as palavras foram exatamente estas, mas é este o sentido. O ato de criar está intrinsecamente ligado à possibilidade de erro. Às vezes, um erro no resultado esperado muda o curso da história, por engendrar algo novo ou inusitado.

Isso aconteceu, mais uma vez, domingo, na minha cozinha. Resolvi fazer o bolo de fubá do La Cucinetta, que é um hit familiar, usando a farinha de trigo integral junto com o fubá de milho, recomendação médica. Ao invés de colocar os ingredientes na batedeira, como sugere a Ana Elisa, eu cometi o primeiro erro e os coloquei no liquidificador.

Depois, errei de novo, por que comecei tudo sem verificar se tinha todos os ingredientes. Faltava exatamente o fubá... Ah, meu Deus! Vai a farinha integral mesmo. Depois, o leite não era suficiente, vai um pote de iogurte, próximo ao vencimento. Eu estava fazendo algo que, decididamente, não era mais o maravilhoso bolo da Ana...

Como os meninos tinham um convidado em casa, convoquei todos para ajudar a encher forminhas de muffins e, por cima, colocamos gotinhas de chocolate. Foi uma farra! Bolinhos são sempre menos arriscados que bolões, eis a minha lógica.

A receita funcionou perfeitamente, os bolinhos ficarão leves, fofinhos e, ainda por cima, saudáveis!!! =) Ontem, eu pus a receita “errada” à prova novamente, só que desta vez, com uma cobertura de Ovomaltine, como mostra a foto. Sucesso retumbante de novo, bolinho de iogurte é o novo hit do lanche da tarde!

Seria muito egoísmo não compartilhar só por que esse é um blog de bordados, leituras e pensamentos, concordam?

“Muffins Errar Pode Ser Bom”
(feitos ligeiramente errados a partir da receita do bolo de fubá - que você deve tentar também - daqui)

3 ovos grandes
1 xic óleo de canola ou girassol (de soja deixa gosto forte, não use, por favor)
1 pote de iogurte natural (eu usei o desnatado, diluído em um pouco de leite)
1 ½ xic de açúcar (usei o demerara e o branco)
2 xic de farinha de trigo integral (usei a média, mas acho que fica bom com a fina também)
1 col de fermento em pó

Bata tudo no liquidificador, começando pelos líquidos. Despeje em forminhas para muffins (as minhas são de silicone), cubra com ovomaltine ou gotinhas de chocolate, e leve ao forno pré-aquecido, numa assadeira. Retire quando o garfo ou um palito entrar e sair limpo; vocês já sabem disso, né? Ah, comer quentinho é melhor... Rende de 22 a 24 bolinhos.


***

Advantages of getting wrong




I have a wonderful friend called Marcinha, which is the most optimistic person who walks on the earth and makes the Pollyanna, caracther of books of our childhood seem like a sad hyena.

Well, Marcinha synthesized the essence of leadership: "I like to work and to have feeling of freedom to make mistakes. When we are afraid of making mistakes, we do not work right and not doing our best. "

I don’t know if it were exactly these words, but this is meaning. The act of creation is inextricably linked with the possibility of error. Sometimes an error in the expected outcome changes the course of history, engendering something new or unusual.

It happened again on Sunday, in my kitchen. I decided to make the cornmeal cake of La Cucinetta, using whole wheat flour with corn meal, medical advice. Instead of putting the ingredients into the mixer, as suggested by Ana Elisa, I made the first mistake and put them in the blender.

Then I made a new mistake why I started without ensuring that everything had all the ingredients. It remained exactly the cornmeal ... Oh, my God! I putted the whole wheat flour. The milk was not enough, I putted some yogurt with milk. I was doing something that definitely was not the Ana’s wonderful cake…

As the boys had a friend at home, I called everyone to help fill muffin cups, and on top, place chocolate chips. It was funny! Muffins are always less risky than big cakes, it is my logic.

The recipe worked perfectly, the muffins were soft, cuddly and, moreover, healthy! =) Yesterday, I tested the "wrong" recipe again. This time with a coverage of chocolate, as show in picture. Resounding success again, yogurt’s muffins are the new hit of the afternoon coffee!

It would be very selfish not to share just why this is a blog of embroidery, reading and thoughts, agree?

"Make Mistakes Can Be Good Muffins"
(Made slightly wrong from the cornmeal cake recipe - you should try it too - from here)

3 large eggs
1 cup of canola oil or sunflower oil (soybean leaves strong taste, do not use, please)
1 pot of yogurt (I used skim milk, diluted with milk)
1 ½ cup of sugar (I used demerara and white)
2 cups whole wheat flour (I used the mean, but I think it looks good with fine too)
1 table spoon of baking powder

Hit it in the blender, starting with the liquids. Fill muffin cups (mine are silicone) and cover with chocolate chips, and bake in preheated oven. Remove when the fork or a toothpick in and out clean, you know that, right? Ah, to eat it warm is better... Makes 22-24 muffins.

sábado, 6 de novembro de 2010

Girassóis e o sentido da amizade

Girassóis, de Van Gogh, tela bordada pela Gislene.
Sunflowers, Van Gogh, embroidered by Gislene.

Van Gogh sempre foi um pintor que me impressionou muito. Não tanto por sua conturbada história de fracassos e outras bizarrices, como a orelha decepada, mas pela angustia e, ao mesmo tempo, vitalidade de suas obras.

Confesso que a tela “Girassóis”, de 1888, não é a minha preferida. Se eu pudesse, teria “A noite estrelada”, de 1889, na qual um céu noturno aparece salpicado de grandes estrelas, bem revolto, com uma cidade palidamente iluminada ao fundo.

Mas eu tenho uma história antiga com os “Girassóis”. Minha amiga Gislene, responsável por me trazer de volta o ponto cruz, bordou essa tela incrível e me deu de presente.

Este presente possui diversos significados: para ela, este foi seu primeiro “trabalho extremo” com ponto cruz; bordá-lo, deu a certeza de que esta técnica permitiria outras “ousadias”, nas quais ela trabalha lindamente neste momento. Para mim, significa, além da sua superação, uma prova de amizade ímpar: horas de trabalho dedicados a propiciar “cor e luz” para a minha casa.

Van Gogh foi a personificação do fracasso durante sua curta vida. Suicidou-se aos 37 anos, após viver na doença mental seus últimos dias. Os “Girassóis” decoravam seu quarto, na França, talvez para trazer-lhe um pouco de cor e luz ou a visão de um mundo no qual houvesse esperança.

A superfície da tela mostra os girassóis como que sacudidos pelo vento, as tintas evocam pinceladas revoltas, angustiadas. A desordem que sentimos no arranjo das flores dá indícios do caos interior do pintor e eleva a natureza morta ao extremo, se é que posso falar assim. Não é a mera reprodução de uma cena, com suas luzes e sombras, mas, sim, a expressão da subjetividade do artista que a observa.

Assim, também a Gis leva sua arte ao extremo. Fiquei muito emocionada com o presente, que ganhará lugar de destaque na minha casa e não me deixará esquecer que a amizade é o que confere luz e cor às nossas vidas. Nos momentos em que estiver sombria, os girassóis poderão lembrar-me que mesmo uma noite sem estrelas termina para dar lugar a um novo dia.

*****

Van Gogh was a painter who always impressed me. Not so much by its troubled history of failures and other oddities, like the severed ear, but the anguish and at the same time, the vitality of his works.

I confess that the painting "Sunflowers", 1888, is not my favorite. I prefer "The Starry Night", 1889, in which appears a night sky dotted with big stars and disheveled, with a city in the background.

But I have an ancient history with the "Sunflowers". My friend Gislene, responsible for bringing me back cross stitching, embroidered this incredible canvas and gave me like gift.

This gift has several meanings: for her, this was her first "extreme work" with cross stitch; embroider it, gave the assurance that this technique would enable other amazing things, in which she works beautifully now. For me it means a proof of friendship: hours of work dedicated to providing "color and light" to my house.

Van Gogh was the personification of failure during his short life. He committed suicide at age 37 after living in mental illness his last days. The "Sunflowers" decorate your room, in France, perhaps to bring you a little color and light or vision of a world in which there was hope.

The surface of the screen shows that as the sunflowers shaken by the wind, the ink strokes evoke riots, anguished. The disorder that we feel in the arrangement of flowers shows signs of the chaos inside the painter, if I may say so. Not the mere reproduction of a scene, with its lights and shadows, but rather the expression of the subjectivity of the artist observes.

Thus, Gis also takes her art to the extreme. I was very thrilled with this gift which it will gain a prominent place in my house and not let me forget that friendship is what gives light and color to our lives. In the moments that are dark, the sunflowers will remember that even a starless night will give way to a new day.

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

W.I.P. - Bordar com Sentido


Como muitos sabem, sou mãe de dois meninos, um de três e um de seis anos. Para eles, eu e a Gislene estamos bordando o alfabeto da Margaret Sherry, que vocês podem ver aqui. Alguns também devem ter notado a minha preocupação com a questão utilitária do bordado: sempre procuro bordar peças que tenham sentido e valor para alguém, quer seja para presentear ou para uso próprio.

Hoje, visitando o blog da Janaina, vi que ela borda para ajudar. Sensacional! Faz todo sentido! Além do prazer e do relaxamento proporcionados pelo ato de bordar, você pode fazer uma criança sorrir, apesar da situação crítica em que esta se encontre, ao receber uma linda colcha de pacthwork e ponto cruz com o tema que gosta, feita com a colaboração de pessoas de diferentes lugares, mas imbuídas do mesmo espírito.

Acredito que, assim como para mim, a saúde dos filhos é talvez o primeiro item na lista de “coisas mais importantes da vida” de todas as mães. Contribuir para amenizar, um pouco que seja, o sofrimento de uma criança com câncer (ou outra doença igualmente preocupante) é, penso, aliviar também, de certa forma, o coração da mãe. Assim, cada bordado é mais que ele mesmo: é uma história de afeto, de solidariedade e de aceitação das vicissitudes da vida.

"Eu acho que vi um passarinho..."
"I think I saw a little bird..."

Já me comprometi com o LovequiltsBrazil.org. Para o Lucas, está em andamento um Piu Piu amarelinho, bem iluminado. Em breve, espero postar este trabalho completo. Por enquanto, vejam a quantas andam meus dois w.i.p.

Estes hedgehogs ficarão mais lindinhos com seus pêlos, não?
This hedgehogs will be more adorable with their hair, won't it?
****

As many know, I'm a mother of two boys, three and six years old. For them, me and Gislene are embroidering the alphabet from Margaret Sherry, you can see hereSome also have noted my concern about the issue utilitarian embroidery: I always try to embroider items that have meaning and value to anyone, whether for gifts or for own use.

Today, visiting the Janaína's blog, I saw the embroidery to help. Amazing! Makes perfect sense! In addition to fun and relaxation provided by the act of embroidery, you can make a child smile, when receives a beautiful quilt in pacthwork and cross stitch, done in collaboration with people from different places, but imbued with the same spirit.

I believe health of children is the first item in the list of "most important things in life" for all mothers. Contribute to soften a bit as it is, the suffering of a child with cancer (or other disease also concern) is also relieve to some extent, the mother's heart. Thus, each embroidery is more then itself: a story of affection, solidarity and acceptance of life's vicissitudes.

Already committed myself to LovequiltsBrazil.orgFor Lucas, I'm embroidering a beautiful Tweet. Soon, I hope to post complete job. For now, see my two wip.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...