quarta-feira, 14 de março de 2012

Linhas Escritas # Devagar




Eu me questiono muito sobre o tempo. Quando viajo para a cidade onde nasci, os dias passam devagar e minha mente acelerada duvida do passar das horas: “Ainda são 9h? Se eu estivesse em Fortaleza já seriam umas 14h!!”.

Por que isso acontece? O ritmo da cidade pequena pulsa em outra freqüência. As pessoas inspiram e expiram seus segundos com moderação, não com sofreguidão, como eu costumo fazer com meus minutos fugidios.

Foi esse incômodo que um dia me impeliu à leitura deste volume amarelo e perturbador. Eu queria entender em que momento passamos a perder, desperdiçar tempo, ao invés de ganhá-lo, com todas as facilidades do mundo moderno.




O que eu li libertou-me de diversas maneiras e impulsou-me a buscar novas formas de viver a rotina. Saber que existem muito mais pessoas preocupadas com as urgências desmedidas da modernidade foi um bálsamo. O movimento é consciente, pensado, estudado e praticado ao redor do mundo por pessoas que, como eu, compraram a “lebre” da vida atual e receberam o “gato” da ansiedade, do estresse, do sucesso a qualquer preço, da ausência de valores familiares, da superficialidade das relações, da despersonalização.

Carl Honoré mostra que a cultura da velocidade teve início durante a Revolução Industrial, foi impulsionada pela urbanização e cresceu desenfreadamente com os avanços da tecnologia no século XX. Com o mundo em plena atividade, o culto à velocidade nos impeliu ao colapso. Vivendo no limite da exaustão, estamos sendo constantemente lembrados por nossos corpos e mentes que o ritmo da vida está girando fora de controle. Este livro traça a história de nossa intensa relação de pressa com o tempo, e atrela as conseqüências e charadas de viver nesta cultura acelerada, criação nossa. Por que estamos sempre com pressa? Qual a cura para a falta de tempo? É possível, ou até mesmo desejável, desacelerar? Percebendo o preço que pagamos pela velocidade implacável, as pessoas em todo o mundo estão reivindicando o tempo delas e desacelerando o passo - vivendo mais felizes e, conseqüentemente, de forma mais produtiva e saudável. Uma revolução 'Devagar' está acontecendo”. (texto de divulgação)




E o quê a gente tem a ver com isso? Parto do pressuposto de que se você me lê ou chegou desavisadamente neste blog hoje é por que você, de alguma forma, curte o mundo craft, correto? Sendo assim, de alguma forma você entende que há muito valor em um artefato produzido vagarosamente, com esmero, usando técnicas que passaram de geração a geração e, agora, se disseminam pela blogosfera a uma velocidade espantosa.

Saiba que cada vez mais pessoas buscam o poder terapêutico e curativo das atividades manuais para desacelerar, valorização e sentido para suas existências ou, simplesmente, para “desplugar” um pouco.

A leitura desse livro pode ajudar você a refletir sobre quais os outros aspectos da sua vida que podem ser vividos de uma maneira diferente e, por assim dizer, mais craft. Anote aí minha recomendação: super-hiper-mega-high-power-uber-blaster-recomendadíssimo.



4 comentários:

Nádia Pereira disse...

Bom dia

Venho por este meio divulgar o meu blogger ainda recém nascido...
Se tiveres um tempinho passa por lá...
http://pontopontinho12.blogspot.com/

Beijos

♥ Nia disse...

Trazes sempre sugestões tão interessantes que fico na vontade de correr para comprar os livros e devorá-los em 3 tempos!! :D Lá se vai o devagar... =) hahahhahha

A Casca da Cigarra disse...

Meu marido leu e gostou. O tempo anda sendo problema sério pra mim...devagar, divagar...nunca mais consegui.

Isabella Morais disse...

Nossa, me lembrei dos livros que lia na faculdade sobre a revolução industrial, o processo de fabricação em série, experiência de Hawthorne, etc.

Eu sou sempre devagar quase parando. Até pra compreender uma piadinha.

:D

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...