segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

O novo sempre vem!



Pois é... a tônica dos dias atuais tem sido a mensagem da velha canção de Belchior, “como nossos pais”: o novo sempre vem. Não se enganem, é a única verdade inexorável, ainda que muitas vezes a gente chore, ranja os dentes e esperneie contra o mundo...

De outro lado (estou numa vibe “Poliana”...), viva o novo! É a assim que a gente pode se revolucionar, se reinventar, jogar fora o que cristalizou, caducou, pereceu.


Gosto de imaginar Deus criando o homem, lá no seu ateliê divino, um trabalho manual de grande complexidade e delicadeza. O seu assessor-anjo chega e torce o nariz: “Mas, Senhor, parece tão frágil, tão fácil de quebrar... Não vai agüentar!” Deus sorri e diz: “Ora, ele tem a capacidade de mudar constantemente, isso o impedirá de se quebrar!”.

Adoro meus projetos em andamento (e todos os que já fiz), mas estou ansiosa pelo NOVO! Podem ser melhores ou piores, mas sua principal qualidade continua intrínseca e imutável: são diferentes!


Vou compartilhar com vocês minha “pequena” lista de projetos, que alimentará todos os posts “WIP” do ano (óbvio que outros projetos poderão surgir a qualquer tempo e tomar a frente destes, mas essa é a graça da vida):

1.      Biscornu Summer (Barbara Ana Design)
2.      Capa de garrafão com pimentas
3.      Conclusão do SAL Lizzie Kate
4.      Conclusão do bookmark Michael Powell
5.      Toalha de mesa com folhas (outra aplicação do motivo da almofada marfim, lembram?)
6.      Conjunto de toalhas de banho para o Bernardo, meu sobrinho, com o tema “estrelas”
7.      Easy ABC (Letras: I, K, P, Q, U, V, Z, W e Y)

E vocês? Gostam da mudança?

****

The new always comes!

Well... the tone of this days has been the message of the Belchior’s old song, "As our parents": the new always comes. Don’t be fooled, this is the only truth, even though sometimes we're crying and shouting against the world...

On the other hand (I'm in a vibe "Pollyanna "...), live the new! It's the way we can revolutionize, reinvent ourselves, to throw out what crystallized, expired, perished.

I like to imagine God creating the man, in His divine studio, craftwork of a great complexity and delicacy. His aide-angel comes and says, "But Lord, looks so fragile, so easy to break ... It will not be durable!" God smiles and says, "He has the ability to constantly change, this will prevent it from breaking."

I love my ongoing projects (and all of I ever did) but I'm looking forward by the NEW! Maybe it will be better or worse, but its main quality is still intrinsic and immutable: it's different!

I'll share with you my "little" project list, future "WIP" posts of this year (obviously that other projects can arise at any time and take the place of these, but that's the fun in life, isn't it?):

1.
Biscornu Summer (Barbara Ana design)
2.
Cover
to bottled water with motifs of peppers
3. Finishing my Lizzie Kate SAL
4. Finishing my bookmark from Michael Powell design
5. Table cloth with leaves (another application to motif from Marie Claire Idées, do you remember?)
6. Set of bath towels to Bernardo, my nephew, with the theme "Stars"
8. Easy ABC (Letters: I, K, P, Q, U, V, Z, W and Y)

And you? Do you like changes?


sábado, 29 de janeiro de 2011

Lista de Leitura


Dia desses, recebi um desafio no Facebook: listar os 15 livros que mais me marcaram. Foi difícil por que separar os livros que gostei daqueles que realmente me marcaram é complicado e porque, de certa forma, fiquei querendo parecer muito mais culta e seletiva do que realmente sou... lol

A verdade é que gosto de ler de tudo: do culto ao best seller. O livro precisa, no entanto, me “pegar” nas primeiras páginas. Tem que me emocionar ou instigar desde o comecinho, não tenho tempo nem paciência para ficar aguardando desfechos espetaculares se o meio é modorrento...

A lista que postei no Facebook foi esta:


Já que estamos começando um novo ano, época em que fazemos os mais variados balanços (financeiros, profissionais, afetivos, etc.), aproveito para perguntar: qual a sua lista? Quais os livros que te marcaram?

A todos, muitas linhas cheias de matizes e um fim de semana estupendo! 

****

Reading List


These days, I received a challenge by Facebook: list the 15 most marked books of my life. Was so difficult to separate these books of others. Somehow, I would want to seem much more cultured and selective than I really am... lol

Actually I like to read everything: the cult and the pop. The book must, however, "get" me since first pages. It has to capture me from the very beginning. I have no time or patience to wait for spectacular outcome if the middle is sleepy...

The list I posted on Facebook was this:

Now we're starting a new year, period when we make the most varied balances (financial, professional, emotional, etc.) I take the opportunity to ask: What is your list? What yours most remarcable books?

Lines full of many hues and an amazing weekend 
to all!


segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

O que não sabemos fazer: WIP #5


Eu realmente acredito que o que não sabemos fazer nos define mais como humanos do que o que sabemos, ou, antes, nos movimenta para sermos o que queremos ser. Eu sei fazer alguns tipos de trabalhos manuais, mas o que me movimenta de verdade é o que eu ainda não sei!

Assim, eu tinha uma verdade interior muito arraigada de que sabia fazer ponto cruz e até comentei num post anterior sobre a desvalorização desta técnica em meu estado. Na verdade, eu tinha me envolvido com outras técnicas e achava que já tinha visto de tudo em termos de ponto cruz.

Na blogosfera percebi que eu, na verdade, sequer sabia fazer o básico do ponto cruz! No Blog da Joanita, o Pontos Fishinhos, um tutorial sobre a diferença entre “ponto cruz” e “ponto cruzado” me abriu os olhos. Tive uma vergonha tremenda de meus trabalhos anteriores, todos realizados com o feio “ponto cruzado”, nunca com o “ponto cruz”.

Claro que isso me levou a pesquisar, conhecer as técnicas e um mundo vasto e maravilhoso se abriu para mim, cheio de possibilidades, designers e gráficos impensáveis!

Penso que tenho melhorado um pouquinho, estou praticando mais e explorando as múltiplas aplicações da técnica. Percebi que, às vezes, tendemos a desvalorizar algo por que realmente não o conhecemos em profundidade...

Assim, já que estamos falando em ponto cruz, quero mostrar o que ando fazendo e vocês julgam se tenho melhorado ou não... lol

O meu SAL Lizzie Kate está de vento em popa. Um Papai Noel bem engraçadinho já apareceu:


Mais uma letra do nosso Easy ABC, da Margaret Sherry, um T em vermelho, surgiu rapidamente, num único dia. Agora restam apenas 9:


Por último, no Desafio Marcadores de Livros, optei por um gráfico do Michael Powell, um desafio realmente! 


Boa semana a todos!

****

What we don't know how to do: WIP #5

I really believe that what we don’t know define us more like humans than what we know or, rather, moves us to be what we want to be. I do know how to do some types of crafts, but what moves me is what I still don’t know to do!

So I had a deep truth inside me that could know how to do cross stitch and I even commented in a previous post about the devaluation of this technique in my city. Actually, I had been involved with other techniques and thought you had seen everything in terms of cross stitch.

In the blogosphere I realized that I actually do not even know the basics of cross stitch! In Joanita's Blog, the Pontos Fishinhos, a tutorial about the difference between "cross stitch" and "crossover stitch" opened my eyes. I had a tremendous shame of my previous works, all performed with the ugly "crossover stitch", never with the "cross stitch".

Of course this led me to research, to learn techniques and a vast and wonderful world opened up to me, full of possibilities and graphic designers unthinkable!

I think I have improved a bit, I'm practicing more and exploring the many applications of the technique. I realized that sometimes we tend to devalue anything that we don't really know how to do...

Thus, while we're talking about cross stitch I want to show what I'm doing and if you judge if I'm improving... lol

My Lizzie Kate SAL is in good progress. A very cute Santa Claus has appeared:

Another letter of our Easy ABC, from Margaret Sherry, a T in red, came quickly, in a single day. Now there are only 9 to be stitched:

Finally, in the Bookmark Challenge, I chose a design from Michael Powell, an even real challenge!

Good weekend to all!



quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Uma cara só sua


Sabem, acalentei por um longo tempo a vontade de ter um blog... Até decidir quais seriam os assuntos e avaliar se estes poderiam despertar o interesse de alguém, realizei muitas pesquisas (o que faço até hoje...) e conheci muitos e maravilhosos blogs.

Aí, comecei a me inquietar com o fato de que o meu blog, por mais que eu vivesse mudando as cores de fundo, as letras, o design, ainda não tinha encontrado uma identidade própria, que se destacasse de alguma forma e que o representasse...

Pensei em pedir ajuda a algum profissional e conversei com um amigo que é designer, tentando explicar o que eu imaginara pro Linhas. Quando terminei de falar ele disse: “Se você executar sua idéia o layout do blog estará quase pronto!”.

Assim, num sábado qualquer, munida de cartolinas pretas, cola e muita paciência, comecei a criar o banner que recepciona atualmente os leitores.

Primeiro, escrevi o nome do blog de vários tamanhos e letras, sempre de maneira contínua para facilitar a colagem do fio. Após esta etapa, colei o fio sobre cada nome escrito, deixando um pedaço maior ao final, onde a agulha foi colocada. Testei a linha por cima e por baixo do nome.


A idéia de usar botões e alfinetes surgiu durante o processo, acho que solucionou bem o problema dos pingos dos ‘i’ e o tracinho do ‘t’. Dedinhos cruzados, esperei o resultado da secagem da cola e fiz muitas fotos.

Por ironia, a foto que mais gostei foi a mais “imperfeita”, por assim dizer. Depois de inserido o banner, escolhi um papel de parede cinza, mas não básico, e alterei as cores das fontes. Se você visita o blog há algum tempo, deve ter notado que mudei um pouco a posição dos gadgets, trazendo a coluna de serviço para o lado esquerdo.

Bem, não posso dizer que esta será a cara definitiva do blog, mas já posso dizer que o Linhas tem uma cara só sua. Algumas pessoas já comentaram suas opiniões. Qual a sua?

****

Our own face

You know, I wished to have a blog for a long time...  Before to decide what would be interesting subjects and assess whether they could attract the interest of anyone, I did a lot of research (I still do it today...) and knew many wonderful blogs.

Then I began to worry about the fact that my blog had not yet found its own identity, that represents itself in some way...

I thought to asking some professional help and talked with a friend who is a designer, trying to explain what I imagined. When finished talking he said, "If you run your idea the layout of the blog is almost ready".

Thus, some days ago, armed with black paper, glue and lots of patience, I began to create the banner that greets readers today.

First, I wrote the blog's name and letters of various sizes, always in a continuous manner to facilitate glueing of wire. After this step, I glued the cotton wire on the name written, leaving a larger piece at the end where the needle was placed. I tried the line with needle above and below the name.

The idea of using buttons and pins emerged during the process and I think that solved the problem of little point above the 'i' and the dash of the 't'. Fingers crossed, I expected the result and I made a lot of photos.

Ironically, the best photo was the most "imperfect, " so to speak. Once inserted the banner on blog, I chose a gray wallpaper, but not simple one, I changed the colors of the fonts. If you visit the blog for some time, may have noticed that I changed the position of gadgets, bringing the service column to the left side.
Well, I can not say that this is the permanent face of my blog, but I can say that the Linhas Matizadas has a face only its. Some people have commented on their opinions. What's yours?

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

A Saga da Linha Verde Matizada


Mãozinhas tão pequeninas para uma almofada tão grande...
Small hands for a big fluffy cushion...

Gente, eu moro numa grande cidade (somos mais de 3 milhões de habitantes, de acordo com os dados do último censo) e que ostenta uma rica tradição em artesanatos, incluindo bordados de diversos tipos, crochê, rendas, etc.

Mas, ingenuamente, comecei a almofada de folhas sem ter toda a linha necessária (Anchor Torçal 1216, de meada). Quando a linha acabou após poucos galhos, achei que uma rápida passada na loja que habitualmente freqüento resolveria o problema. Ledo engano! Começava uma saga para encontrar a famigerada 1216.

Meu maior pesadelo: ter que desmanchar o que já estava feito! Às sete da noite, depois de visitar três bairros e a maioria dos armarinhos da cidade – aquilo já estava passando dos limites! – ainda encontro uma vendedora que me olha cinicamente e, não sem um certo prazer sádico, afirma categoricamente: “Pois a senhora vai ter que desmanchar mesmo!”.

Ó criatura desalmada, pessoa sem coração! Dei o meu melhor sorriso e a mandei, em pensamentos, para aquele lugar!

Estava realmente entregando os pontos. Duas possibilidades: esperar que o estoque fosse reposto ou comprar pela internet, pagando valores exorbitantes de frete. Aí, lembrei de uma loja que fica fora desse circuito de armarinhos e que quase nunca freqüento: havia uma única e preciosa meada! O que não se faz por amor?

Pontos Margarida e Atrás
Laizy Daisy Stitch and Back Stitch
Novo suspense: uma única meada seria suficiente para concluir todo o bordado?? 

Não, não deu... Resignada, resolvi bordar com dois fios do novelo da mesma cor que havia comprado. Não posso dizer que ficou perfeito, mas ficou quase e isso já é mega bom...

Eis os resultados e os presentes embalados. 

Gostaram do resultado final?
Did you enjoy the result?
Patchs e apliqués.
A foto não ficou boa, não é?
Bad photographer...
O presente em forma de bombom, para a Ritinha, continha três paninhos de prato feitos com patchwork e apliqués. O maior, a almofada da Aninha. Não sei se deu mais trabalho concluir o bordado ou embalá-lo. Que difícil! Lol

Wrapped cushion...
E assim, num café da manhã que se prolongou até o almoço, conversamos muito, rimos muito, trocamos novidades, histórias, afetos e muito, muito carinho... É disso que uma amizade é feita, não?

Um excelente fim de semana a todos! 

****

The saga of green embroidery thread


Folks, I live in a big city (we are more than 3 million people, according to data from the last census) with a rich tradition in handicrafts including embroidery.

But I naively I started the cushion of green leaves without having all the necessary thread (Anchor Torçal #1216). When the thread ended after a few twigs, I thought that a quickly passed in my favorite store could solve the problem. I was wrong!

Began a saga to find the infamous #1216…

My worst nightmare: having to undo what was already done! After visited three neighborhood and almost all of stores of materials in the city - it was already getting out of control! - I found a salesperson who looked at me cynically, and not without a certain sadistic pleasure, categorically stated: ‘Definetely, you're going to have to undo it.’

Oh, soulless creature, heartless person! I gave my best smile and I sent her (in thought) to that place!

I was giving up… I would have just two possibilities: wait for new stock or buy from Internet paying a lot of money. Then, I remembered  a store that is located outside downtown and hardly ever I visit: there was a unique and precious thread! What we don't do for love?

New thriller: one skein would be enough to complete all the embroidery? No, it did not ... Resigned, I decided to embroider  with two strands of the same color I had bought.  It wasn’t perfect, but it was almost and this is super good...

Here are the results and the gifts wrapped.

The gift wrapped like candy for Rita, had three flour sack dish towel made with pacth and appliqués. The larger gift, the cushion with the embroidery of leaves, for Aninha. I don’t know if most difficult to complete the embroidery or pack it.  Lol

So, in a beautiful morning, at a breakfast that lasted until lunch, we talked, laughed, told news, stories, feelings and so much love... That's what makes a friendship or not?

Nice weekend everyone!

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

WIP #4

O meu SAL Lizzie Kate continua em andamento e tem me dado muito prazer. O temor que eu tinha de não me adaptar a bordar com o auxílio do bastidor evaporou-se. A micro-etamine está deixando os esquemas bem delicados e as cores do Natal... Ah, como eu adoro as cores do Natal! O que ajuda, acho, é que os motivos são bem pequenos, bordados rapidamente, o que também me agrada.

Saudade do Natal...
I miss Christmas...
Já recebi a quarta palavra, ‘Santa’, só para matar um pouquinho a saudade do Natal e do tempo em que críamos em coisas fantásticas e maravilhosas... A propósito, meu filho mais velho - a pessoa mais racional lá de casa - chegou à conclusão este ano, para minha tristeza, de que Papai Noel não existe.

Não posso refutar argumentos tão consistentes, mas plantei uma sementinha de dúvida na cabecinha dele, ao fazer dele e do irmão os Papais Noéis de algumas crianças que têm menos que eles. Quem sabe realmente por quais formas o nosso bom velhinho atua??

Em andamento também está o alfabeto da Margaret Sherry, dessa feita está pronto o ‘R’ de Rafael, meu filho mais novo, que adora coelhos (rabbits). Os tons são bem ternos e o resultado ficou bem bonito (estou me auto-elogiando um pouco, desculpem... lol).

It's cute or not?
Com esta, completamos 17 letrinhas bordadas cujo histórico você pode ver aqui, aqui, aqui e aqui. Ah, as letrinhas também estão no Margaret Sherry Lovers.

****


WIP #4

My Lizzie Kate SAL is in progress and it’s bringing me a lot of fun. I thought I couldn’t adapt myself to embroider with the embroidery hoops, but I was wrong. The micro-aida is very delicate and the colors of Christmas ... oh, how I love the colors of Christmas! I’m stitching quickly because the words are small, which also pleases me.

I already received the fourth word, ‘Santa’, and this was good because I was missing Christmas and the time when we believed in great and wonderful things... Incidentally, my oldest son (the most rational person at home) came to the conclusion this year, to my sorrow, that Santa Claus doesn’t exist.

I can’t refute arguments as consistent, but I planted a seed of doubt in his brain, making him and his brother played like Santa Claus for some children who have less than them. Who really knows for what ways Santa Claus works?

In progress is also the alphabet of Margaret Sherry. The ‘R’ is ready made for my little Rafael, my youngest son, who loves rabbits. The tones are very light and the result was pretty good (I'm self-praising a little, sorry ... lol).

With this letter we've completed 17 already embroidered. You can see all of letters here, here, here and here. Ah, the alphabet is also in the Margaret Sherry Lovers.


sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Capas de Garrafão: a missão

Parece que aconteceu há milênios, mas esse blog começou por causa de algumas capas para garrafão de água. A água engarrafada é muito usada, sobretudo no Nordeste do Brasil e, para não deixar de aproveitar aquele espacinho da cozinha, a criatividade ajudou a criar estes invólucros de tecido que são um convite aos bordados.

Pois bem. Eu fui duramente criticada pelo fato de escrever uma dissertação sobre a água que bebemos, sob a ótica da sustentabilidade deste recurso, e, ao mesmo tempo, fazer uma suposta apologia à água engarrafada por meio das famigeradas capas. =)

Bom, não ligo mesmo para as críticas e o negócio deste blog são idéias bordáveis, não?!

Assim, recebi uma encomenda da minha irmã, que queria uma capa de garrafão para a loja da sua sogra, a Boutique Charme, que fica no interior do Amazonas, na cidade de Tefé. Comichão! Por que não bordar a logo da loja?
Logo da loja ampliado.
Store's logo.
Feita em tempo recorde (uma manhã), a capa foi cortada na etamine branca que recebeu o risco da logo, bordada em tons de lilás. 


A silhueta foi preenchida em vagonite e contornada com ponto atrás, também usado nas letras. 


Ponto atrás.
Back stitch.
E voilà!


****

Covers of bottle of water: the mission



Seems what happened many years ago, but this blog was started because of some covers for big bottle of water. Bottled water is usually used, especially in the Northeast of Brazil, and we can take advantage of that small space in kitchen to use our creativity and create different embroideries.

I was harshly criticized by the fact of writing a master degree paper about the drink water,  from the perspective of sustainability of this resource and, at the same time, making an apology of bottled water through the ugly cover. =)

Well, I really don’t care for the criticism and the business of this blog are ‘embroiderable’ ideas (to possible to embroider ideas), isn’t it?

So, I received a ‘mission’ from my sister, who wanted a cover to bottle water to the store of her mother in lawCharme Boutique, located in the countryside of Amazonas State, in the town of Tefe. Yes! Why not embroider the store's logo?

It done in record time (one morning), the cover was cut from the white aida which received the design of logo, embroidered in shades of lilac. The silhouette was filled in vagonite stitch and I also used back stitch.


terça-feira, 4 de janeiro de 2011

WIP #3



Já contei aqui que quando estivemos no Rio de Janeiro, em julho de 2010, comprei duas coletâneas da Marie Claire Idées, ambas contendo maravilhosas idéias de bordados, em peças lindas de viver.

Ao mesmo tempo, havia comprado capas de almofadas prontas, bem baratinhas, numa loja de decoração, feitas com sobras de tecidos usados em cortinas e estofados. Para uma delas, na cor marfim, eu planejei um bordado autoral, para uma amiga querida, e cheguei até a rabiscar um desenho, mas a idéia não chegou a se realizar. Talvez eu ainda não esteja pronta para este tipo de bordado mais livre, sem as amarras de um esquema, ainda que adaptado...

Folheando a MC, me empolguei com um centro de mesa, um desenho bem elaborado de um círculo de galhos e folhas executados em linha branca sobre um linho bege. Os galhos, em ponto atrás e as folhas em ponto margarida, simples, chic e muito, muito bonito.



Imaginei o desenho circular num quadrado e achei que cairia bem. O risco, ampliado, foi centralizado e transferido para a capa de almofada comprada pronta. O estudo de cores é uma das minhas etapas preferidas de qualquer projeto. Espalho as minhas linhas sobre o tecido a ser bordado e testo as combinações, sob a luz mais adequada para isto: a natural. 

Risco centralizado...
Centralized design...
e fixado, pronto para ser transferido...
it's set and ready to be transferred...
Veja como ficou na capa da almofada.
See how it was on the cushion.
No projeto atual, optei por combinar o marfim com o verde matizado, já que a presenteada adora plantas e a sua casa é cheia delas. Vejam como está o andamento. 

Estou usando o ponto atrás e o ponto margarida.
I'm using back stitch and lazy daisy stitch (or single chain stitch).
Gostaram das cores?
Did you like the colors?
A fotógrafa não é boa e a câmera não está ajudando...
The photographer isn't good and the camera isn't helping...
****

I've told here that when we were in Rio de Janeiro (July 2010) I bought two compilations of Marie Claire Idées, both with wonderful ideas of embroidery in beautiful pieces.

At the same time, I bought ready-made cushion covers, very cheap, in a decoration store, made with leftover fabrics used for curtains and upholstery. For one, in ivory colour, I planned stitching my own design to a dear friend, and I've scribbled a drawing, but the idea is dead now. Maybe I'm still not ready for this type of embroidery, without the help of one pattern...

Leafing through the MC, I got excited with a centerpiece, a well-designed drawing a circle of twigs and leaves executed in white colour on a beige linen. The branches were stitched in the back stitch and the leaves in daisy point, simple, chic and very, very beautiful.

I figured the circular pattern in a square and thought it would be in order. The risk increased, and was transferred to the central cushion cover purchased ready. The color study is one of my Tracks stages of any project. I spread my lines on the fabric to be embroidered and testo combinations, in the light most suitable for this: the natural.

In the current project, I decided to embroider with tinted green, that the gifted loves plants and her house is full of them. See the work in progress.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...