sábado, 17 de setembro de 2011

Ah, a utilidade das coisas...


Quando eu ainda estava com um cabelão...


Já fiz vários bookmarks, de diferentes modelos e cores. Eu os adoro e os coleciono. Os primeiros, ainda com acabamentos sofríveis, foram presenteados aos amigos mais chegados.

 

Eis que, almoçando com duas amigas queridas, a Rita e a Aninha, tive uma surpresa: a Aninha, que é a pessoa mais criativa que anda sobre essa Terra, havia encontrado uma nova utilidade para o bookmark que havia ganhado: fez dele um inusitado porta-leque!

 

O bolsinho que eu havia criado na parte de trás do bookmark comportou direitinho um leque, e passou a servir para este fim. Não foi uma idéia interessante? Eu gosto muito quando alguém realmente utiliza um presente feito por mim, ainda que de uma forma nova. Vocês lembram o meu “problema” com a utilidade das coisas, né?

 

Acredito que cada objeto tem uma energia própria e, se fica encostado, parado, essa energia fica retida, impedida de circular e energia retida nunca é bom... Rimos muito das “supostas” funções das coisas e de como elas podem ser subvertidas...


Um super domingo a todos!


7 comentários:

Joanita disse...

Acho que nunca vi uma foto tua! Gostei de te conhecer! =)

Bom domingo!

Ana Cançado disse...

Querida Simone,
bem-vindas as suas palavras, seu carinho, sua generosidade – artigos muito úteis na malha real da vida. Adoro os abismos onde as suas mãos bordam e escondem algo de ti e seu... Adoro suas intervenções precisas; que navegar é preciso, viver é que não, viver é pura imprecisão. Imagina só a responsabilidade de um sistema cheio de química e física transbordante de possibilidades e variações – isso nossos nós – como poderíamos ser precisos? Somos esses bichos incompletos, insuficientes, precários na eterna caça seiládoquê. A finalidade é a caça, mas e a utilidade? Boa pergunta.
Eu estou vivendo, suponho, o auge da minha inutilidade, tô vasculhando meus vazios e o povo diz que isso é papo de estudante de filosofia. Qual nada, isso é papo, isso é uma conversação interna intermitente, parece falação de carpideira com o profissionalismo que lhes funda. Mesmo em profundo sono, a autocobrança de utilidade existe como um capataz, que se pretende autoritário, ditador – querendo ditar a dor. A regra é negar, quando é fácil ceder. Vai entender!
Você ficou linda, muito linda na foto. Ritinha arrasou na foto, no registro que nos eterniza - tem um desfocado lateral que sugere um fog de sonho, um movimento. Seus olhos estão pra lá de lá. Seu “bookmarks“ também, útil em outra função.
Grata por existirem, beijo vocês.

Aninha Cançado.

Fortaleza, 17.09.2011.

Isabella Morais disse...

Eheheheh...eu tb já fiz um port aleque mas o seu está infinitamente melhor...agora...quem usa leque hein?!?

Eu só conheço uma pessoa que usa leque...a japa..uma amiga minha e foi justamente pra ela que eu fiz :)

Minha avó usava leque...ela tinha um tão lindo! Era preto e dourado e quando abríamos tinha uma mulher pintada..só n me lembro o que era a cena ao certo, faz tempo!

Adorei a foto...sexy!

♥ Nia disse...

Isso é que é por a criatividade a funcionar!! E assim pode utilizar muito mais vezes a peça, não é?
Excelente! :D

Atelier Caseiro disse...

Leque é um charme. Aqui pouco se usa, mesmo no alto verão, não se vê!
Agora, tiro o chapeu, sua amiga foi muito criativa! =)E a foto, como disse a Isa, esta sexy!
Bom domingo!

Pontinhos disse...

Que charme. Excelente.
abraços
Pontos e POntinhos

Ariane disse...

É incrível a criatividade das pessoas... Adorei!

Beijinhos
Ariane

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...