domingo, 29 de junho de 2014

Linhas Escritas # Raízes do Brasil



Junho trouxe os holofotes do Mundo para o Brasil e eu pensava nisso na hora de selecionar o livro do mês. Para além do campeonato de futebol – considerem que eu moro numa das cidades-sede, um verdadeiro canteiro de obras a céu aberto – a formação do que se denomina “ser brasileiro” está na pauta de discussões, sobretudo quando os “homens cordiais” saem às ruas para protestar, confundir, contundir, gritar nossas mazelas em megafones, paus e pedras.

Li este livro há muitos anos, quando eu ainda nem entendia direito os limites elásticos do mundo. Eu só queria entender de onde vinha esse nosso “jeitinho brasileiro”, visto por uns como pejorativo e por outros como um ideal a ser seguido.

Sérgio Buarque de Holanda respondeu muitas das minhas perguntas e plantou inúmeras outras. O livro, lançado nos anos 30, é tão atual que nem se notam os quase 80 anos de sua existência. Mudamos pouco? Somos tão jovens?

Texto de divulgação:
“Publicado em 1936, Raízes do Brasil aborda aspectos centrais da história da cultura brasileira. O texto consiste de uma macrointerpretação do processo de formação da sociedade brasileira. A tese central é a de que o legado personalista da experiência colonial constituía um obstáculo, a ser vencido, para o estabelecimento da democracia política no Brasil. Destaca, nesse sentido, a importância do legado cultural da colonização portuguesa do Brasil e a dinâmica dos arranjos e adaptações que marcaram as transferências culturais de Portugal para a sua colônia americana.” Fonte:wikipedia

Se você quer entender melhor as bases sociológicas da formação da nossa cultura e seus tentáculos, anote aí minha avaliação: um clássico, atemporal e imperdível!


domingo, 22 de junho de 2014

Hexagon Quilt - WIP





Passei os primeiros meses do ano envolvida com outros projetos e a minha colcha de pequenos hexágonos esperou pacientemente. Agora estamos juntas de novo.

Para ninguém achar que estou sendo negligente demais, informo que o processo produtivo envolve:

  1. Cortar os tecidos, nas cores e estampas as mais variadas;
  2. Posicionar o molde de papel no tecido cortado, fixa-lo com um alfinete e costurar as bordas em volta do molde, para “fechar” os hexágonos;
  3. Hexágonos feitos, eu os costuro em “flores”, com sete hexágonos de cores e estampas diferentes (normalmente entrego tudo para a minha irmã, que me ajuda nesta etapa);
  4. Por fim, as “flores” que eu ou minha irmã fizemos são costuradas à colcha, e os espaços entre elas são preenchidos com outros hexágonos, de modo a ir aumentando o seu tamanho. 
Viram?! O projeto de uma vida, considerando o tamanho “king” da minha cama! Rsrsrsrsrs


Por curiosidade, retomando a colcha estes dias, resolvi abri-la sobre a cama, para avaliar seu progresso. E não é que o tecido já cobre quase todo o topo?? Preciso de mais uns 40 cm de cada lado, para que haja um caimento bonito.

Ah! E outro detalhe! Comecei a colcha com o objetivo de fazê-la com tecidos vermelhos e brancos, como se pode observar bem no centro. Claro que, sem o planejamento adequado, os tecidos logo acabaram e fui “obrigada” a misturar novos tecidos. Abandonei também, aos poucos, a inserção de flores do mesmo tecido, que também podemos ver.

Às vezes acho que continuo mais por teimosia... Depois, vejo o quanto já fizemos e sinto que um dia valerá a pena ter uma peça tão cheia de histórias e imperfeições... Mas meu maior medo é que os hexágonos não sobrevivam à primeira lavagem... rsrsrsrsrsr

Torçam por mim! Bom domingo!

 

domingo, 15 de junho de 2014

Toalha de Banho em Ponto Reto – Done!





E o acqua finaliza este delicioso trabalho! Vejam como o efeito do preenchimento deste verde (azul?) combina bem com as demais cores da paleta.

Eu realmente amei bordar esta toalha, adorei este gráfico e quero usa-lo outras vezes.


A Isa já recebeu seu presente e este post já está atrasado... Mas aproveito para responder aqui as perguntas que me foram feitas sobre o avesso. Bom, não é como o Ponto Cruz em que há uma técnica para que o avesso fique perfeito, pelo menos que eu saiba.

Procurei deixar o avesso limpo, e, como vocês podem imaginar, a linha aparece inteiramente atrás, porém num movimento meio diagonal, da passada para o ponto seguinte. Não é perfeito, mas também não é feio. Se você não é purista, achará, como eu,  até bonito... rsrsrsrs


Pensei em cobrir com tecido ou outras estratégias, mas, por fim, deixei “naked” mesmo. Recomendo que aqueles que desejarem usar o ponto reto, o experimentem antes em pequenas áreas, sobretudo se foram usar a técnica em toalhas de banho, como neste caso.

Com este post, finalizamos mais um projeto. Espero que tenham gostado!




domingo, 8 de junho de 2014

Crianças e Trabalhos Manuais


A internet está cheia de artigos que comentam os benefícios dos trabalhos manuais para o desenvolvimento infantil. Durante minha infância, quer por influência da minha mãe ou por aptidão natural, sempre criei vestidos de bonecas, brinquedos e brincadeiras que envolviam confeccionar algo.

Não é à toa que os trabalhos manuais são terapêuticos para mim.

Como sabem, sou mãe de meninos e fico evidentemente feliz quando eles fazem parte deste meu mundo craft. Eles sempre gostaram de desenhar, pintar, construir maquetes e outras estruturas e nós estimulamos estes momentos como forma de expressão dos sentimentos.

Mas qual não foi minha surpresa quando o Rafa me pediu que o ensinasse a costurar. Tentei disfarçar a surpresa e perguntei o que ele queria fazer, qual seu projeto. “Uma almofada bordada!”, disse o pequeno.


Num círculo de etamine azul, ele bordou um coração e sua letra, o R em ponto alinhavo. Em seguida, costurou outro círculo, encheu com fibra acrílica e, por fim, fechou a abertura.

O orgulho estampado na carinha dele foi muito bonito de ver. Agora dorme com sua almofadinha, que passou a pertencer também aos seus “filhos”, Ricardo e Alice. Rsrsrsrs


É muito importante que as crianças, sobretudo os meninos, entendam que são capazes de realizar todas as tarefas, inclusive aquelas ditas “femininas”. Quero ser capaz de criar cidadãos, homens no sentido mais amplo da palavra, respeitosos e sensíveis, capazes de encontrarem em si o que precisam para ser felizes e estabelecer um bom diálogo com os demais.


Se conseguir isto, deixo-os com uma herança inestimável.


domingo, 1 de junho de 2014

Panos de Prato com Patchwork e Letras Bordadas




Adoro cozinhar, como a maioria já sabe, e acho que os panos de prato dão um charme a qualquer cozinha. Na categoria de presentinhos que agradam a todos, baratos e descolados, são imbatíveis. Além de úteis, claro!


Andei fazendo uma série de panos de prato com barras em patchwork e letras bordadas. O PAP sobre como aplicar barra de tecido em panos de prato mostrei neste post


Para as letras, uso sempre o ponto atrás, que é simples, rápido e muito adequado para as curvinhas das letras. Ah, tento sempre harmonizar a cor do bordado com o tecido.


E aí, para brincar um pouquinho com as amigas que, como eu, amam viajar, cozinhar e, principalmente, experimentar pratos do mundo, decidi homenagear suas cozinhas em diversas línguas! Rsrsrsrsrs


Para a Laura, a Cibele e a Valérie, além do meu carinho, o desejo de que venham muitas outras viagens, cheias de cor e de sabor!

Gostaram da sugestão? 


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...